Geopolítica

GEOPOLÍTICA é uma área da Geografia preocupada em entender as relações de poder entre os Estados, considerando as vias diplomáticas, econômicas e militares.

O termo Geopolítica surgiu na obra do cientista político Rudolf Kjellén, no início do século XX. Ele se baseou no livro “Politische Geographie“ (Geografia Política) do alemão Friedrich Ratzel.

Foi principalmente durante a ascensão do fascismo ou nazismo europeu, a partir da qual as questões territoriais ganharam uma nova abordagem para os Estados.

Nazismo: tropa sendo inspecionada por Hitler
Hitler vistoriando suas tropas em 1939

É claro que antes disso os países já entendiam seus territórios como sua fonte básica de recursos, mas, com o nazismo, este entendimento atingiu um novo patamar. Não se tratava apenas de organizar recursos internos e conquistar terras estrangeiras. 

É importante destacar que nazismo cunhou a expressão “espaço vital” para se referir a territórios não pertencentes a Alemanha, mas, que seriam fundamentais para o seu desenvolvimento. Correspondia, praticamente, a todo o leste europeu, incluindo Polônia, Ucrânia e outros países que deveriam ser conquistados ou cooptados, conforme as circunstâncias.

Foi justamente este movimento do pensamento político e econômico nazista que deu origem ao que chamamos Geopolítica.

No período nazista, entretanto, tratava-se de colocar na balança o valor de cada território, para a composição de uma política expansionista do Estado alemão. Mas, mesmo naquela época, já havia um movimento paralelo, desenvolvendo a corrente da geografia política – uma outra área do conhecimento que se dedicava mais às relações do Estado, com seu próprio território.

Portanto, de forma simples, a diferença entre ambas é que a geopolítica ultrapassa as fronteiras nacionais, considerando a diplomacia e as disputas em conflitos internacionais.
 

Evolução da Geopolítica Mundial

A geopolítica mundial evoluiu para incluir as dinâmicas populacionais e econômicas dentro deste jogo de poder, no tabuleiro político internacional.

Digamos que existe uma arena internacional que inclui a Organização das Nações Unidas (ONU) e que também é o palco principal das relações de poder entre as nações.

No interior deste cenário global, existem muitas subdivisões regionais, com conflitos e tensões de naturezas diversas, pois a ONU por sí só possui muita influência sobretudo das potências econômicas e militares com viés, ainda, de imperialismo…

O melhor exemplo atual é a infinita Guerra da Síria que envolve várias potências militares e que se retrata principalmente a partir de questões econômicas com graves consequências sociais, no caso dos milhões de mortos e refugiados. Tudo isso, sem deixar de ter um foco, um centro geograficamente localizado, o Oriente Médio, cenário recorrente desde milênios com as seguintes características:

  • Imigração e refugiados de guerra;
  • Herança política da Guerra Fria (mundo bipolar);
  • Disputa pelo controle das reservas de petróleo e gás natural;
  • Disputa pela influência política na região;
  • Conflitos entre muçulmanos (árabes), judeus e cristãos.

Todos estes assuntos compõe um cenário complexo, em que cada um deles tem um impacto diferente no desenvolvimento do conflito. Por isso, a geopolítica procura estabelecer todas estas conexões para entender o jogo em termos abrangentes.

Com os conceitos e exemplos acima citados é possível, então, compreender a dinâmica da Geopolítica nos jogos de poder através de suas várias manifestações. Ou seja, compreender as motivações profundas, mais do que apenas a disputa direta entre potências militares, uma vez que de alguma forma, impactam todo o mundo.

Prof. José Carlos Rabello – Geógrafo

REFLEXÕES GEOPOLÍTICAS EM TEMPOS DE PANDEMIA

 Alguns dos “incentivos” do globalismo planetário até aqui dominantes foram: movam-se, viajem, acelerem, cresçam, expandam-se, extraiam (os recursos), consumam, privatizem, flexibilizem (as relações de trabalho), “deslocalizem” (as empresas)… Tudo isso, frente à pandemia de coronavírus, repentinamente se inverteu: parem, não viajem, desacelerem, retraiam-se, não consumam, invistam em políticas públicas, estatizem (empresas em crise)… Aqui, em pleno boom neoliberal, como uma praga, o último mantra a ser contestado ainda não se inverteu: para os trabalhadores continua-se propondo uma flexibilização ainda maior das relações de trabalho, como se estivessem testando até onde vai a resignação dessa massa de (des)empregados extremamente vulneráveis. É como se enquanto os ricos podem parar e se resguardar, os pobres devem continuar em movimento, se arriscando para garantir a nossa sobrevivência.

 Há dezessete anos atrás, em “O mito da desterritorialização”, eu escrevi que, ao contrário do que se propagava a partir da Europa e dos Estados Unidos, não estava ocorrendo o “fim dos territórios” (Bertrand Badie), o “fim das fronteiras” e do Estado-nação (Kenichi Ohmae) ou até mesmo o “fim da geografia” (Paul Virilio). Quando se dizia que estávamos em um processo de perda de laços territoriais, utilizava-se muito mal o termo “desterritorialização”, aplicado muito mais aos ricos que se deslocavam com frequência e tinham mais de uma residência (inclusive em países diferentes) do que aos pobres que realmente sofriam a perda do controle sobre seus espaços de vida. Propus então, para os ricos, especialmente os executivos de grandes corporações transnacionais, o termo multiterritorialidade, por terem pleno controle sobre os múltiplos territórios que frequentam, sempre na “bolha móvel” das mesmas cadeias de hotéis, resorts, lojas, restaurantes… Mesmo aí, entretanto, eles dependiam de um grande manancial de serviços oferecidos por trabalhadores – em geral migrantes, estes sim, desterritorializados.

Pandemia de coronavírus provoca reflexão sobre o gigantismo e a ...

 Num olhar a partir de nossa realidade latino-americana tão desigual, reservei então o termo desterritorialização muito mais para a efetiva perda de controle territorial dos mais pobres, grupos subalternos que lutam cotidianamente por sua sobrevivência. Cheguei a afirmar que um morador em situação de rua, por exemplo, pode fazer da defesa da marquise de um prédio durante a noite o seu território, assim como um presidiário em uma cela superlotada pode fazer de um colchonete seu território durante as poucas horas em que, em revezamento, consegue dormir. Nesse sentido é que desterritorialização pode ser encarada, sobretudo, como precarização dos controles territoriais que garantem nossa própria condição de vida. Dá para imaginar, como resultado mais brutal dessa pandemia, num mundo em que saúde pública nunca foi prioridade, o que ela poderá causar em países de desigualdade histórica tão aviltante como os nossos da América Latina. A começar pelos milhares de moradores em situação de rua, o extremo dessa pirâmide e os mais vulneráveis por serem os que têm menor condição para se isolar ou “se afastar” socialmente.

 Chegou-se a afirmar que um mundo fluido e líquido se projetava cada vez mais impetuoso, uma “dádiva” da globalização neoliberal que a tudo consome e refaz, numa reinvenção tecnológica atroz, o tempo inteiro recriando “necessidades desnecessárias” que, estimuladas com os bilhões gastos em publicidade, mesmo endividados, consumimos com vigor. Nessa avidez pelo novo e pelo movimento esqueceu-se, contudo, que o velho pode não morrer e que a fixação e o fechamento são a outra metade, indissociável, da abertura e do movimento. Seria preciso um vírus assassino para nos lembrar essas velhas lições. E também para reforçar nossa tese de que aquela desterritorialização tão decantada, a dos “turistas”, era um mito.

A metáfora dos “turistas” globalizados de Zigmunt Bauman, com o cuidado para não exagerar, também ajuda a compreender a rápida difusão do coronavírus. Para além da metáfora, na última década o número de turistas pelo mundo quase dobrou, atingindo hoje cerca de 1,5 bilhão de pessoas. Se lembrarmos que as migrações internacionais também aumentaram substancialmente nas últimas décadas, atingindo 272 milhões de pessoas em 2019 (ou seja, 3,5% da população mundial, contra 2,8% no ano 2000), percebemos a intensidade da movimentação de nossos corpos pelo planeta. Tudo isso sem falar na enorme mobilidade internacional cotidiana em função do trabalho. E ainda havia quem menosprezasse essa dimensão material, corpórea, da vida humana, em nome de uma virtualização ou desmaterialização generalizada (erroneamente denominada, também, desterritorialização).

Paradoxalmente, quem diria, a grande desigualdade que move o sistema econômico revela-se agora com toda a sua crueza entre aqueles que podem ficar isolados, hipoteticamente “imunizados” nos territórios-abrigo de suas casas, com condições econômicas para se manter aí, e aqueles que, sem a garantia de seus territórios-recurso, são obrigados a atravessar a cidade para assegurar a alimentação, a saúde, a limpeza ou a segurança para toda a população.

Lembrando a distinção que Jean Gottman propôs (depois incorporada por Milton Santos) entre o território como abrigo e o território como recurso, fica patente que é impossível levar nossa vida sem a imbricação dessas duas propriedades. Nossas casas, como último espaço-refúgio, podem nos garantir certo abrigo, protegendo-nos (relativamente) da difusão do vírus, mas essa condição só se realiza de fato pela imbricação com o acesso a múltiplos recursos: a água e o esgoto canalizados, a energia por fios, o telefone por antena, a alimentação que precisamos buscar no supermercado, os medicamentos na farmácia, o combustível para o transporte dessas mercadorias nos postos de gasolina, etc.

Pandemia com empatia | Blog Longevidade: modo de usar | G1

Há muito se foi o tempo em que estávamos autonomamente “abrigados” em nossas moradas. Muito poucos hoje usufruem desse privilégio. Mas temos outro enorme privilégio do qual raramente nos damos conta. Precisamos nos conscientizar sobre o quanto a segurança de nossas individualistas quarentenas se deve a uma massa de trabalhadores (vulneráveis) que nos garantem o acesso a esses tantos recursos necessários para nossa sobrevivência. Essa pandemia poderia nos ensinar um pouco mais a reconhecer nossa própria fragilidade e o grau de dependência que temos para com os tantos serviços garantidos por esses trabalhadores com os quais deveríamos ter o maior respeito e solidariedade. Ir às janelas aplaudir os profissionais de saúde é um tímido começo.

Em sentido mais amplo, o” inédito e avassalador desafio que nos coloca essa pandemia é o de parar – no mínimo desacelerar – ou perecer. Ela escancara o que, para muitos, incompreensivelmente, ainda não parecia suficientemente claro: a falência de um sistema que, em tese, aboliu a ideia de limite e se intitulou soberano do planeta. Como afirmamos num artigo há quatro anos atrás, ao contrário de discursos dominantes, a fluidez da globalização planetária trouxe à tona, ainda com mais força, o debate sobre os limites:

“… limites como restrição, contenção, numa conotação negativa, mas também no sentido de constituírem parte indissociável de nossa dinâmica civilizatória, na medida em que, biopoliticamente falando, o modelo societário hegemônico, baseado na acumulação e/ou no “crescimento” capitalista, colocou em jogo até mesmo nossa sobrevivência enquanto espécie biológica sobre a Terra”.

Caso não se priorizar o pronto combate à precarização e à brutal desigualdade não teremos saída. A defesa da bio e da etnodiversidade do planeta exigem, mais do que nunca, uma cultura e uma política planetárias do comum que prezem, em primeiro lugar, a redução da desigualdade perversa entre os povos da Terra.

Essa parada compulsória, além das muito prováveis convulsões sociais que irá desencadear (já ensaiadas nos protestos recentes pela América Latina e vários cantos do mundo, do Líbano a Hong Kong), poderá trazer à tona uma séria rediscussão dos rumos civilizatórios. Se o Grande Irmão da extrema-direita não se aproveitar da ocasião para impor controles ainda mais perversos, talvez seja esta nossa última chance. A tremenda desterritorialização em termos da precarização social dela resultante será o indicador mais impiedoso de que, ou nos solidarizamos com os mais frágeis e reconhecemos nosso destino comum, ou perecemos todos juntos, pois o barco, mais do que nunca, revelou-se um só, e está afundando. Não haverá trincheira doméstica ou individual capaz de nos proteger desse naufrágio.

Prof. Rogério Haesbaert – Geógrafo