Tigres Asiáticos

O mapa abaixo mostra a localização dos primeiro quatro Tigres Asiáticos na Ásia ( Coréia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Singapura).

tigres

O termo Tigres Asiáticos ou Quatro Tigres Asiáticos refere-se às economias mais desenvolvidas ante os Dragões Econômicos (Japão e China).

Esses territórios e países localizados no sudeste da Ásia, apresentaram grandes taxas de crescimento e rápida industrialização entre as décadas de 1960 e 1990.

Seul-Coréia do Sul

Seul-Coréia do Sul

Taipei-Taiwan

Taipei-Taiwan

Hong-kong_China

Hong-kong_China

Cidade de Singapura

Cidade de Singapura

 

História

A partir da década de 1980, alguns territórios do Pacífico malaio-asiático começaram a apresentar altos índices de crescimento econômico e influência no mercado mundial, sendo por isso designados tigres asiáticos.

Os termos lembram agressividade e é exatamente essa a característica fundamental das quatro economias (Hong Kong não é considerado Estado Nacional) que formam esse grupo. Eles se utilizaram de estratégias arrojadas para atrair capital estrangeiro – apoiada na mão-de-obra barata e disciplinada, na isenção deimpostos e nos baixos custos de instalação de empresas.

O país asiático que iniciou esse ciclo rápido de crescimento foi oJapão, com uma bem sucedida reforma agrária, seguida de um aumento rápido da renda dos fazendeiros, que criou um mercado local para novas fábricas. O Japão atuou não só como estímulo, mas também como exemplo. A imensa e ininterrupta expansão daeconomia japonesa foi decisiva para criar um dinâmico mercado em toda a área circundante do Pacífico.

O crescimento mais marcante foi o apresentado pela Coreia do Sul, que ficou conhecido como o “Milagre do rio Han”. Na década de 1960, o país era um dos mais pobres países da região, com menor desenvolvimento. Da década de 1980 até o presente, a Coreia do Sul se transformou em um país desenvolvido, com renda alta e elevados valores de IDH e de PIB per capita. O progresso deTaiwan seguiu o mesmo rumo.

No final da década de 1990, as exportações chegavam a 202% doPNB (produto nacional bruto) em Singapura e a 132% em Hong Kong. O índice de crescimento era alto nos tigres, e, a despeito da crise asiática, a população tinha um alto nível de alfabetização e a economia girava em torno da construção naval, produtos têxteis, petroquímicos e equipamentos elétricos.

O crescimento mais notável ocorreu principalmente na economia de entrepostos. Hong Kong, graças à economia de mercado puro e, apesar de sobrecarregada pelas desvantagens do colonialismo (anteriormente existente enquanto colônia britânica), elevou sua renda per capita para cerca de seis vezes mais que a da República Popular da China.

Os Tigres compartilham muitas características com outras economias asiáticas, como Japão e China. Iniciaram o que passou a ser visto como uma particular aproximação asiática do desenvolvimento econômico. Alguns desses países estavam na década de 1960 com indicadores sociais semelhantes a de países africanos altamente estagnados; as principais transformações basearam-se em acesso à educação e criação de infra-estrutura de transportes (fundamental para a exportação competitiva).

Com o tempo, o termo Tigre tornou-se sinônimo de nação que alcançou o crescimento com um modelo econômico voltado para exportação. Recentemente, nações do Sudeste asiático, como Indonésia, Malásia,Filipinas e Tailândia também passaram a ser consideradas Tigres formando assim os Tigres Asiáticos de Segunda Geração ou os Novíssimos Tigres Asiáticos.

Economia

Os Tigres asiáticos alcançaram o desenvolvimento com um modelo econômico exportador; esses territórios e nações produzem todo tipo de produto para exportá-los a países industrializados. O consumo doméstico é desestimulado por altas tarifas governamentais.

Eles encaram a educação como um meio de aumentar a produtividade. Os países melhoraram o sistema educacional em todos os níveis, assegurando que toda criança frequente o ensino fundamental e o ensino médio. Em geral estes avanços na educação permitiram altos níveis de alfabetização e habilidades cognitivas. Também investiu-se na melhoria do sistema universitário. Além disso, destaca-se a prática de incentivos fiscais a multinacionais.

Como os “Tigres” eram relativamente pobres durante a década de 1960, tinham abundância de mão-de-obrabarata. Juntamente com a reforma educacional eles conseguiram aproveitar essa vantagem, criando uma força de trabalho de baixo custo, mas muito produtiva.

Eles promoveram a igualdade na forma de reforma agrária, para promover o direito de propriedade e para assegurar que os trabalhadores rurais não se prejudicassem. Também foram implantadas políticas de subsídiosà agricultura.

Fatores do desenvolvimento

Além de um sério planejamento econômico, outros fatores favoreceram o desenvolvimento destes países. Alguns fatores muito importantes:

  • Investimento de capital estrangeiro, principalmente norte-americano e japonês, que via nesses países uma localização estratégica para fortalecer o capitalismo contra o socialismo, na época da Guerra Fria;

  • Exploração da força de trabalho, relativamente barata, que compensava a falta de matérias-primas – as fériassão muito reduzidas, a jornada de trabalho elevada e a previdência social restrita;

  • Distribuição mais equilibrada de renda em relação a outros países capitalistas;

  • Cooperação e transparência dos Estados;

  • Economias voltadas fundamentalmente para o mercado externo;

  • Ética confucionista – estabelece um modelo socioeconômico que enfatiza o equilíbrio social, a consciência de grupo, a hierarquia, a disciplina e o nacionalismo. As grandes empresas são vistas como grandes famílias, viabilizando, muitas vezes, a ordem e a maior produtividade.

Base Cultural

Confucionismo

O papel do confucionismo tem sido usada para explicar o sucesso dos quatro tigres asiáticos. Esta conclusão é semelhante à teoria da ética do trabalho protestante promovida pelo sociólogo alemão Max Weber, em seu livroA Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. A cultura do confucionismo é citada como ser compatível com a industrialização, porque valoriza estabilidade, trabalho duro, lealdade e o respeito para a autoridade. Há uma influência significativa do confucionismo nas instituições empresariais e políticas dos Tigres Asiáticos. O Confucionismo foi ensinado nas escolas de Cingapura até os anos 1990. Seminários sobre Confúcio foram oferecidos por empresas sul-coreanas como a Hyundai para a gestão da empresa. O primeiro-ministro de Cingapura Lee Kuan Yew defendeu os valores asiáticos como uma alternativa para a influência da cultura ocidental na Ásia.

Crítica ao modelo exportador

Uma das principais críticas ao sistema econômico dos Tigres Asiáticos é o foco exclusivo na exportação, deixando de lado a importação. Com isso, essas economias tornam-se extremamente dependentes da saúde econômica de suas nações compradoras, ou seja, uma grande crise econômica que afete a saúde financeira dos países que importam seus produtos iria afetar drasticamente a economia dos Tigres.

porto de Singapura

Panorama do Porto de Singapura, um dos mais movimentados do mundo.

 Hong Kong

Na década de 1970, quatro países da Ásia (Cingapura, Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan) apresentaram um acelerado processo de industrialização. Em razão da agressividade administrativa e da localização dos países, eles ficaram conhecidos mundialmente como Tigres Asiáticos.

O modelo industrial desses países é caracterizado como IOE (Industrialização Orientada para a Exportação), ou seja, as indústrias transnacionais que se estabeleceram nesses países e as empresas locais implantaram um parque industrial destinado principalmente ao mercado exterior.

Singapura

Singapura, Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan utilizaram métodos diferentes para o desenvolvimento econômico, no entanto, essas nações apresentaram aspectos comuns, como forte apoio do governo, proporcionando infraestrutura necessária (transporte, comunicações e energia), financiamento das instalações industriais e altos investimentos em educação e em qualificação profissional.
Além disso, esses países (exceto Coreia do Sul) adotaram uma política de incentivos para atrair as indústrias transnacionais. Foram criadas Zonas de Processamento de Exportações (ZPE), com doações de terrenos e isenção de impostos pelo Estado.

Diferentemente dos outros Tigres Asiáticos, a Coreia do Sul demonstrou resistência a instalações de empresas transnacionais em seu território. O desenvolvimento industrial do país baseou-se nos chaebols, que se caracteriza por redes de empresas com fortes laços familiares. Quatro grandes chaebols controlam a economia coreana e têm forte atuação no mercado internacional: Hyunday, Daewoo, Samsung e Lucky Gold Star.
Somente na década de 1980 começaram a entrar transnacionais na Coreia do Sul, entretanto estas são associadas a empresas coreanas.

Os Novos Tigres Asiáticos

Em consequência do grande desenvolvimento econômico dos Tigres Asiáticos, houve uma expansão para os países vizinhos do sudeste, o que proporcionou um processo de industrialização na Indonésia, Vietnã, Malásia, Tailândia e Filipinas. Além dos investimentos dos quatro Tigres originais, os novos Tigres passaram a fazer parte das redes de negócios de empresas dos Estados Unidos, do Japão e de outros países desenvolvidos.

Jacarta-Indonesia

Jacarta-Indonesia

kuala_lumpur-Malasia

kuala_lumpur-Malasia

Bangcoc_Tailandia

Bangcoc_Tailandia

Ho Chi Minh (Saigon) – Vietnã

Nesses novos Tigres foram instaladas indústrias tradicionais, como têxteis, calçados, alimentos, brinquedos e produtos eletrônicos. Nesses países há mão de obra menos qualificada que a encontrada nos quatro Tigres originais, porém, muito mais barata. Milhares de pequenas empresas produzem mercadorias sob encomenda, criadas e planejadas em outros países do mundo.

Mapa dos novos Tigres Asiáticos

Os primeiros países denominados Tigres, em vermelho juntamente com os atuais, em amarelo.