Furacão

          O furacão é uma tempestade que se forma nas áreas tropicais, sobre os oceanos, provocando ventos de até 350Km/h. Normalmente, possui entre 350 Km e 850 Km de diâmetros e a distribuição do vento e das nuvens ao seu redor é igual. Em seu centro, conhecido por “olho da tempestade”, em que predominam as baixas pressões, não há chuva, os ventos são brandos e o céu é praticamente limpo. Essa tempestade é chamada de Furacão quando ocorre no oceano Atlântico e de Tufão, quando acontece no pacífico.

 

Apresentação Furacão (arquivo pdf )

 

Os termos furacão e tufão são nomes regionais para intensos ciclones tropicais, sendo este último um termo genérico para um centro de baixa pressão não-frontal de escala sinótica sobre águas tropicais ou subtropicais com convecção organizada(por exemplo, tempestades) e intensa circulação ciclônica à superfície.

catarina

Imagem do Furacão Catarina, na divisa de SC com RS em março de 2004

 

 Esta ocorrência ciclogênese tropical ocorre devido aos seguintes fatores:

 1. Águas oceânicas quentes (pelo menos 27°C) em uma camada suficientemente profunda, cuja profundidade deve ser de, pelo menos, de 50 m. Essas águas quentes alimentarão a engrenagem térmica do ciclone tropical.

Formação de furacão

2. Uma atmosfera que se resfrie rapidamente com a altura para que seja potencialmente instável à convecção úmida, sendo essa atividade convectiva responsável pela liberação do calor armazenado nas águas para o interior do ciclone.

3. Camadas relativamente úmidas perto da média troposfera (a partir de 5 km de altura). Níveis médios secos não conduzem ao contínuo desenvolvimento de atividade convectiva em uma vasta área.

4. Uma distância mínima de pelo menos 500 km da linha do Equador. Para ocorrer ciclogênese tropical, há o requisito de uma Força de Coriolis não desprezível para que o centro de baixa do distúrbio seja mantido.

5. Um distúrbio pré-existente próximo à superfície com vorticidade e convergência suficientes. Ciclones tropicais não podem desenvolver-se espontaneamente, pois necessitam de um sistema levemente organizado com rotação considerável e influxo nos baixos níveis.

6. Valores baixos de cisalhamento vertical de vento entre a superfície e a alta troposfera. Valores altos de cisalhamento desfavorecem ciclones tropicais incipientes e podem prevenir sua origem ou, no caso de um ciclone já formado, pode enfraquecê-lo ou até mesmo destruí-lo dada sua interferência com a organização convectiva em torno do centro do ciclone.

O Furacão tem sua intensidade medida pela escala Saffir-Simpson, sendo do mais fraco de categoria F1 até o mais devastador de categoria F5, como mostra a animação abaixo:

info-saffir-simpson-619px

Os ciclones tropicais são regionalmente denominados da seguinte maneira:

 * furacões – no Oceano Atlântico e Oceano Pacífico na costa dos Estados Unidos e México.

* tufões – no Oceano Pacífico e Oceano Índico;

 

FURACÃO/TUFÃO MAIS DEVASTADOR

O pior tufão já registrado foi o De Bhola que ocorreu em 12 de novembro de 1970 que atingiu o Paquistão Oriental (atual Bangladesh) e a Bengala Ocidental, na Índia quando morreram cerca de 390 mil pessoas (exceto os desaparecidos), principalmente devido à maré de tempestade associada que inundou muitas ilhas de pouca altitude do Delta do Rio Ganges. Foram registrados ventos de até 350km/h e uma onda de 15 m de altura que atingiu a costa de Bangladesh, o delta do Ganges e as ilhas do Bhola, Hatia, kukri, Mukri e Manpura. A maré ciclônica devastou muitas ilhas próximas à costa, destruindo muitos vilarejos e plantações na região. A cidade Thana de Tazumuddin foi o local mais severamente afetado, sendo que 45% da população de 167.000 morreram como conseqüência da passagem do ciclone.

 

MAIOR NÚMEROS DE DESABRIGADOS POR UM FURACÃO/TUFÃO

O tufão “Ike”, com ventos de 220 Km/h, que atingiu as Filipinas em 02/09/85, matou 1.363 pessoas, feriu 300 e deixou 1,12 milhões de desabrigados.

 

Recentemente o tufão F4 Haiyan que atingiu as Filipinas com ventos de mais de 300Km/h em novembro de 2013, causou a morte oficial de 6.822 mil pessoas e deixou mais de 23.000 feridos e 350 mil desabrigados.

rastro de um furacão

http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/numero-de-mortes-causadas-por-tufao-nas-filipinas-passa-de-5-mil

http://climatologiageografica.org/tornados-furacoes-e-tufoes/#ixzz2l5dISA64